Conciliando a vida profissional com a família

Um dos grandes desafios da sociedade moderna é conseguir conciliar os diferentes aspectos da vida. Quando se tem uma família pode ser ainda mais complicado se organizar entre o pessoal e o profissional, mas precisamos sempre buscar o equilíbrio para uma vida mais saudável e livre de estresses.

Por isso, trazemos 9 dicas de ações, ideias e princípios que podem te ajudar a melhor organizar a sua vida:

  1. Cuidado com os excessos. Temos uma mentalidade muito workaholic, que coloca o trabalho na frente de tudo como se isso significasse ser um bom profissional. O problema é que isso pode acarretar em problemas como a síndrome de burnout, prejudicando tanto a sua vida social quanto o seu rendimento profissional. É preciso saber separar onde o trabalho termina e começa o pessoal.
  2. Falando nisso, essa separação passa  por separar momentos para o lazer. O descanso e a diversão são essenciais para recarregar as baterias e conseguir seguir em frente. Todos temos obrigações, mas nossa vida não pode ser consumida por elas, por isso é necessário encontrar tempo para o que você deseja fazer só por lazer.
  3. Autocuidado é essencial. Temos as obrigações profissionais e sociais e podemos deixar uma rotina atarefada nos afastar dos cuidados próprios. O lazer entra nessa questão, mas autocuidado é muito mais sobre sono de qualidade, alimentação balanceada e cuidar da saúde mental e também física. Não conseguimos aproveitar a vida familiar nem trabalhar bem se nossas mentes e corpos estiverem exaustos.
  4. Para isso, é importante compartilhar as responsabilidades. A cooperação é necessária tanto no ambiente de trabalho quanto no ambiente familiar. Mantenha um diálogo aberto e não coloque tudo sob os seus ombros, isso só vai te fazer se sentir sobrecarregado e cansado.
  5. Esse compartilhamento parte também para dois princípios, o primeiro deles sendo delegar tarefas. Nem sempre o compartilhamento de responsabilidades é natural e, principalmente no trabalho, é importante descentralizar as tarefas e responsabilidades. Concentrar muitas funções em si mesmo só traz prejuízos, já que uma pessoa sobrecarregada não conseguirá exercer suas funções da melhor maneira.
  6. A segunda questão é pedir ajuda. Podemos ser muito orgulhosos e acharmos que conseguimos fazer tudo sozinhos, mas isso não poderia ser mais longe da verdade. Procurar ajuda profissional é essencial ao se sentir sobrecarregado, assim como procurar o apoio de familiares e amigos.
  7. Aprenda a dizer não. O acúmulo de responsabilidades pode surgir de uma tendência a aceitar tudo por medo de perder oportunidades e de achar que pode fazer tudo. Isso serve tanto para o trabalho quanto para o pessoal, não sair para um bar quando se está exausto não é um problema, priorize o seu bem estar. Não adianta dizer que pode fazer tudo e não conseguir.
  8. O dizer não passa por outra questão do orgulho: precisar se sentir perfeito. Nós erramos, temos defeitos e nem sempre estamos aptos a fazer tudo, seja por cansaço ou simples falta de vontade. Mas infelizmente vivemos em uma sociedade que nos empurra ideais de perfeição que simplesmente não existem. É importante não cair nessa tentação pois isso só leva a uma autocobrança excessiva que, novamente, causa prejuízos mentais, emocionais e profissionais.
  9. Procure se organizar. Todos os princípios acima podem ser ajudados e amplificados por uma coisa: organização. Existem muitas ferramentas e plataformas que nos ajudam a planejar o dia a dia e traçar metas. Dessa forma, também temos uma noção melhor de tudo o que temos para fazer, dos nossos momentos livres que podem ser utilizados com lazer e autocuidado. A visualização do nosso cotidiano também nos permite tomar decisões se baseando em algo tangível, sem acumular demandas e obrigações.  

Precisamos sempre estar atentos para evitar situações e rotinas prejudiciais, que nos levem a não cuidar de nós mesmos e das pessoas que importam. Equilíbrio é essencial mas alcançá-lo é uma escolha e esforço consciente, que precisa ser trabalhado todos os dias, mas nunca sozinho. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *